Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Quinta-feira, 24 de Julho de 2008
Separar o trigo do joio?

     

1. Dentro e fora do Parlamento, foram abundantes as conversas sobre o “Estado da Nação” em manifestos, conferências de imprensa, jornais e televisões. Deram para dizer tudo e o seu contrário. Talvez não fosse mau analisar também o estado dessas conversas, num contexto de alguma depressão futebolística. Embora estejam na moda os “observatórios” de tudo e mais alguma coisa, não é prudente acreditar num mirante a partir do qual se pode
ver o certo e o errado, separar o trigo do joio com a utopia de um novo país, sem taras do passado, com um presente limpo e sem ameaças para o futuro.

Quanto à situação mais recente, tive a impressão de que, raramente, foi enquadrada no actual estado do Mundo e da Europa. E, no entanto, como veio a assinalar o Banco de Portugal, numa pequena economia aberta, fortemente dependente do exterior como a portuguesa, o enquadramento internacional é indispensável para compreender até que ponto ela é afectada por choques de escala global.

Quanto ao futuro, seria ridículo pensar que só o governo e o partido que o apoia se movem num horizonte eleitoral. Os partidos da oposição, associações, grupos de pressão e comentadores sentir-se-iam ofendidos se fossem considerados habitantes de outro planeta.

À pequena e à grande escala, vivemos sempre entre desejos, promessas, decepções e recomeços, não muito longe das palavras de Qohélet, filho de David, rei de Israel: «ilusão das ilusões: tudo é ilusão... nada há de novo debaixo do sol!» (Ecl 1, 2. 9).

É evidente que as constantes descobertas científicas e as inovações tecnológicas do nosso tempo parecem contradizê-las. No entanto, também se repete que as utopias dos séculos XIX e XX se eclipsaram e as inovações tecnológicas servem mais a banalização da vida e as ameaças bélicas do que a felicidade humana. Já é de forma envergonhada que se pergunta: afinal, o que ficou do Maio de 68?

De qualquer modo, não é por falta de progresso científico e tecnológico que a recente reunião do G8 não resolveu nenhum dos problemas actuais nem afastou os perigos de novos conflitos. Aliás, sem uma ética mundial para aeconomia e para a política, o diálogo de civilizações e religiões resvala, facilmente, para a conversa fiada.

2. Não pretendo com isto desvalorizar a importância do diálogo intercultural e inter-religioso e do debate no interior de cada uma das culturas e religiões. Apesar da sua lentidão e, por vezes, da sua aparente inutilidade, não podemos descartar as possibilidades de “milagre”. Os reis Juan Carlos de Espanha e Abdullah bin Aziz da Arábia Saudita – considerado o país mais fundamentalista sob o ponto de vista religioso e avesso a todo o diálogo – patrocinaram e acabam de realizar, em Madrid, a Conferência Internacional para o Diálogo (16 a 18 de Julho 2008). Este encontro, entre muçulmanos, cristãos e judeus, abriu-se a vários outros credos.

O rei Juan Carlos, na sua abertura, expressou o desejo de que esta Conferência sirva para chegar a «um mundo que acabe para sempre com a inaceitável barbárie terrorista, que lute contra a fome, a doença e a pobreza, que respeite os direitos do ser humano e que promova a defesa do meio ambiente». Pode parecer retórica de circunstância, mas o secretário da
Liga do Mundo Islâmico, Al Turki, não se esqueceu de avisar: «que esta Conferência não seja como as outras, estéreis, mas que se traduza em projectos operativos, materiais e que seja para prosseguir». Veremos.

3. A vontade de «separar o trigo do joio», de fazer limpezas étnicas, culturais e religiosas, de separar os maus dos bons, de criar mundos homogéneos, sem dissidentes, é muito antiga.

A expressão «separar o trigo do joio» vem da agricultura. O joio é uma planta nociva que se desenvolve com frequência nas searas, prejudicando o seu desenvolvimento. Daí a necessidade de separar o trigo do joio. A partir deste pressuposto de observação corrente, Jesus constrói uma parábola – proclamada na Missa deste Domingo – para que não sejam tiradas conclusões apressadas acerca do insucesso parcial da pregação do Reino de Deus e da mistura de bons e maus nas comunidades cristãs. A classificação de bons e
maus depende dos juízos intolerantes que uns fazem sobre os outros. O próprio Jesus foi acusado, precisamente, de conviver e de aceitar no seu convívio os classificados como pecadores, sinal de que andava feito com os inimigos da Lei de Deus, com o diabo (Mt 12, 22-24).

Ainda hoje, continua a discussão do que a Igreja católica pode ou não admitir, do que pode ou não admitir a Igreja ortodoxa, do que pode ou não admitir a Igreja anglicana, luterana ou calvinista, do que cada uma pode ou não admitir para acolher as outras na sua comunhão.

O sucesso da expressão «separar o trigo do joio» é a vontade diabólica de separar, de eliminar o outro. Não apressar a separação do trigo do joio não é dizer que vale tudo. É dar tempo ao tempo. A intolerância, em nome do melhor, provoca o pior.

Quando vemos as outras comunidades, os outros povos, as outras ideologias, as outras religiões como o mundo inimigo, estamos a preparar a guerra, a impedir a paz.
               

Frei Bento Domingues, O.P.

(1º Director da Lic. em Ciência das Religiões)

        

Artigo publicado no diário Público a 20 de Julho de 2008.


 

 

publicado por Re-ligare às 10:37
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds