Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Terça-feira, 17 de Março de 2009
A Fé e as Obras no século XXI

O domínio da fé, do acreditar, é algo que não é tangível no momento em que se pensa, se medita, se acredita. Mas a fé é em si mesma a origem de algo concreto, por isso tem em si o potencial de acontecer.

Por isso ela tem de ser prática, por isso ela tem de ser colocada em prática.

Senão for, como disse o apóstolo Tiago ao escrever aos crentes hebreus então dispersos por outras terras:
 – “ A fé sem obras é morta”.
É como um político que diz acreditar que dias melhores virão, mas que não toma medidas concretas para que isso aconteça. Ou como alguém que diz amar Deus, mas rejeita e trata mal o seu próximo e é indelicado com quem não conhece.
Jesus deixou um exemplo de vida que costumo olhar porque é de facto irrepreensível e tanto pode ensinar. Penso ter sido também esse o seu objectivo, e no seio de tantas referências da actualidade e do passado, as suas biografias são e foram uma fonte inesgotável de sabedoria.
Martin Luther King por exemplo, foi uma dessas referências que tornou a História “melhor”. “I have a dream” motivou as suas acções. Ele não se limitou apenas a sonhar, a acreditar no seu sonho e a esperar que “um dia… “ se realizasse mas agiu e lutou para que a sua “fé” produzisse obras. Não deixou o sonho morrer.
Além disso, e igualmente importante, foi a forma lícita com que o fez. Sem recorrer à violência, suborno, nem maltratar ninguém - o seu sonho de “libertar uns, não aprisionou outros”.
O momento de ira manifestado por Jesus descrito nas suas biografias, ao encontrar os cambistas a cobrar desmesuradamente dinheiro por animais para sacrificar como oferta de adoração a Deus, reflecte a sua indignação contra a corrupção dos propósitos do seu Pai no uso do templo. A procura dos próprios interesses em primeiro lugar por parte dos cambistas, foi o motivo do seu acto. O templo servia para tudo, menos para ser um local onde acontecesse adoração verdadeira e a possibilidade de todos o poderem fazer. Jesus “retirou” energicamente - “derrubou”, diz a expressão traduzida da palavra grega nessa escritura: Kathasterpho, as mesas dos cambistas como um gesto que no fundo era o reflexo da sua convicção de que o conhecimento de Deus e o relacionamento consigo devem ser a prioridade de todo o Homem e ninguém o deve impedir de forma nenhuma, nem deturpar essa causa.
O seu testemunho mostrou-o, a sua vida motivava-o.
Não vou destacar o seu acto nem a sua motivação ainda que tenham muito para ensinar, mas realço o facto de que ele agiu como “fruto” da sua fé. Jesus era uma pessoa segundo as suas biografias, calma e equilibrada, o seu acto de forma nenhuma revela desequilíbrio, mas sim coerência entre aquilo que acreditava e aquilo que fazia.
Se todos vivermos assim ou procurarmos fazê-lo, desde quem está no poder com maior responsabilidade, até à pessoa de menos visibilidade e com menos influência mas igualmente responsável por possuir carácter - tenho por certo que aquilo que dizemos acreditar não será de todo improdutivo.
Mais cedo ou mais tarde, os resultados e mudanças que tantos aguardam por este mundo fora acontecerão. A fé transformar-se-á em algo visível, palpável e útil para a vida.
 
Florbela Nunes
Aluna do 3º ano da licenciatura de Ciência das Religiões
publicado por Re-ligare às 23:06
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds