Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Terça-feira, 28 de Outubro de 2008
Espiritualidade do provisório

1.Nos anos incendiados pelo Maio de 68, quando todos os fundamentos pareciam abalados, interessei-me pela “Dinâmica do provisório” do Irmão Roger Schutz, da célebre comunidade de Taizé. Com ar de troça, um amigo dizia: mas esse Irmão Roger não saberá que, em Portugal, há cigarros “provisórios” e “definitivos”? Os definitivos não tiveram mais sorte do que os provisórios. Pelo contrário, na Igreja católica, nos finais dos anos 80 do século passado, até algumas proposições que pareciam provisórias – não são dogmas de fé – passaram a ter estatuto de “verdades definitivas”. Não pretendo, como Qohélet, render-me à lei do provisório – ilusão das ilusões, tudo é ilusão: “Há tempo para nascer, tempo para morrer; tempo para plantar, tempo para arrancar o plantado”(Ecl 3,2). No entanto, para S. Paulo, só a caridade, o mais alto dom do Espírito (agapé) – o amor irrestrito e incondicional ao próximo – é para sempre: Ainda que eu tivesse o dom da profecia e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, ainda que eu tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tivesse amor, eu nada seria. Ainda que distribuísse todos os meus bens e entregasse o meu corpo às chamas, se não tivesse amor, isso nada me adiantaria. (…) O amor jamais passará. (…) Agora permanecem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor; mas a maior delas, porém, é o amor (1Cor 13, 2-13). A fé e a esperança são, apenas, virtudes do caminho. Tomás de Aquino (1224/1225-1274), num outro contexto cultural, dirá que a lei do Novo Testamento consiste principalmente na graça do Espírito Santo, graça do amor e da liberdade. Tudo o resto conta na medida em que prepara o seu acolhimento, favorece e exprime a sua floração e os seus frutos (ST, I-II, q. 106, a.1). 2. Seria, porém, temerário desprezar a Igreja como instituição em nome da pureza do Evangelho de Cristo, esquecendo que o Verbo se fez “carne”, fragilidade humana. O Evangelho da fraternidade precisa da instituição para que a sua energia não se dissolva. Importa, no entanto, que as instituições e as leis das Igrejas não se tornem um objectivo ou um fim. Só têm sentido como instruções e recursos de viagem. Christian Duquoc escreveu, precisamente, uma obra de eclesiologia ecuménica sobre o carácter provisório das Igrejas (1). A sua tese, embora subtil, é simples. A Igreja de Cristo afirma-se na multiplicidade das Igrejas, mas elas não devem seguir a tendência para a exclusão, lei natural dos grupos. Nenhuma deve estar tão imersa no profano a ponto de já não se diferenciar dele; nenhuma deve assumir o profano com a ilusão de o transubstanciar. A visibilidade das Igrejas não é a antecipação do Reino de Deus: nem na forma de celebrar, nem na vida social, nem no valor espiritual. Essa visibilidade serve para afirmar uma ordem simbólica, abrindo o quotidiano a uma dimensão de gratuidade e de comunhão, traço de Deus em Cristo. O modelo das Igrejas cristãs deve ser o acontecimento da Páscoa: Aquele, que todos julgavam definitivamente morto, vive para sempre. Elas devem proclamá-lo, no quotidiano, transformando a vida. 3. A objecção a esta esperança é grave: a nossa história desenrola-se sob o domínio da violência e a morte parece vitoriosa; as Igrejas nem sempre reconhecem que são provisórias nas suas formas, imperfeitas e criticáveis nas suas opções e condutas. Diz-se que o Espírito de Cristo nunca faltará à Igreja, mas as Igrejas, santas e pecadoras, podem faltar à convocatória da sua Palavra. Numa leitura retrospectiva, não reparando no que falhou, é sempre possível dizer que, em cada época, surgiram as iniciativas de que precisavam para se manterem em movimento (2). João Paulo II, secundado pelo cardeal Ratzinger, destacou a importância dos novos movimentos eclesiais, privilegiando aqueles que reproduzem as suas opções. Mas é uma maneira de dizer que também esses são provisórios. O Graal, um movimento internacional feminino, surgiu em 1921, na Holanda. Com a participação de mulheres de vários mundos, celebra, neste fim de semana, em Fátima, o jubileu da sua entrada em Portugal, interrogando a sua história no horizonte do futuro: «Que raízes e que espírito nos moveram no passado e nos movem hoje? Como identificar hoje os grandes desafios do mundo? Será possível proteger a Terra duma catástrofe ecológica? Que acessos trilhar para uma vida de qualidade para todos? Terão as mulheres um gesto diferente ou a igualdade é o alvo? Poder-se-á passar do medo da diferença cultural ao louvor da alteridade? Que ética para enfrentar os novos problemas?» Enquanto “tribu” dentro da comunidade da Igreja, o Graal investe numa liturgia ligada aos problemas e questões do mundo actual, expressão de uma Igreja inclusiva e aberta a todos, inscrevendo-se nas inquietações espirituais do nosso tempo. A espiritualidade do provisório não é a resignação à ditadura do momento, à sedução do evanescente. É um caminho de sabedoria que, no quotidiano agitado e fragmentado, escuta a voz do Mistério presente em tudo para nada idolatrar.

            

(1) Des Églises provisoires. Essai d’ecclésiologie œcuménique, Paris, Cerf, 1985.

(2) Fidel González Fernández, I movimenti dalla Chiesa degli apostoli a oggi, Milão, Rizzoli, 2000.

               

Frei Bento Domingues, o.p.

(1º director da Lic. em Ciência das Religiões)

 

publicado por Re-ligare às 21:41
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 21 de Outubro de 2008
O problema não é o capitalismo, é o egoísmo!

 

Enquanto os homens forem imperfeitos, não haverá modelos perfeitos – nem ideológicos, nem políticos nem económicos. E quem pensava que o capitalismo o era, ainda está a tempo de mudar de ideias.

 

Mas digo hoje acerca do capitalismo o que Churchill disse, em Novembro de 1947, acerca  da democracia: «Democracy is the worst form of government, except for all those other forms that have been tried from time to time." O capitalismo é também o pior modelo económico, à excepção de todos os outros modelos anteriormente tentados.

 

O capitalismo, apesar de imperfeito e incompleto, responde a quatro desejos e necessidades vitais do homem:

 

Produzir. O facto indesmentível é que o homem gosta de produzir, de criar. Isso diferencia-o dos animais: estes utilizam o que foi produzido; aquele produz o que quer utilizar. E também nos parece que é o sector privado aquele que mais incentiva à produtividade. O facto incontornável, iniludível, é que quando o patrão é o Estado, o desinteresse instala-se, a exigência vai-se, o afinco desaparece e a produtividade tende a diminuir.

 

Possuir. O princípio axial do capitalismo é o direito alienável à propriedade privada. Princípio este muito judeu, por sinal: já Jacob, depois de quase vinte anos a trabalhar como empregado do sogro, dizia: «Quando, pois, trabalharei também por minha própria casa?» Admitamos que nos é inato, a todos, o desejo de possuir a nossa casa, o nosso carro, as nossas propriedades, o nosso património. O capitalismo, enquanto modelo económico que assenta na propriedade privada, responde favoravelmente ao desejo de possuir.

 

Poupar. Pois é claro, se produzimos e possuímos, estamos a meio-caminho da poupança! O nosso problema, nestas sociedades de abundância sem ética, é o desperdício; se pensássemos nos milhões de euros que vão diariamente para o lixo por força do desperdício…Na célebre multiplicação dos pães, Jesus mandou que recolhessem as sobras do pão distribuído, «para que nada se perca», disse Ele. E vai daí, recolheram doze cestos cheios de pedaços!!! A receita de Calvino, que defendeu o direito à propriedade e à prosperidade, foi a da frugalidade, da sobriedade e da parcimónia. E com esse princípio modelou, com o seu pensamento económico e social, uma sociedade que ainda hoje respira a sua presença. Está claro: o capitalismo, na sua vertente representada pela «ética protestante», incentiva a poupança.

 

Partilhar. Outra coisa que o capitalista Calvino sublinhou a «bold» foi a importância da partilha - devemos acumular mas necessitamos partilhar. E aqui se fecha o quadrado: repartir é uma necessidade para quem recebe, mas mais ainda para quem dá, «pois é dando que se recebe», como dizia Francisco de Assis. O que tem faltado ao capitalismo selvagem é a ética! A ganância, a avareza, o egoísmo, a ambição desmedida estão a ferir um modelo, imperfeito, bem sei, mas que tem em si sementes de virtude. Já Abraão, o avô do capitalista Jacob, tinha aprendido que a posse implica, sempre, a partilha e que partilha assenta em dois princípios importantes referidos em Génesis 18:19: Tzedakah, distribuir por caridade e Mishpat, retribuir justamente. 

 

O problema não é o capitalismo: é o egoísmo!

 

Luís Seabra Melancia

Docente na Lic. em Ciência das Religiões

 

 

 

 

 

publicado por Re-ligare às 21:40
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 7 de Outubro de 2008
A mãe de todas as bênçãos…

 

Pediram-me para participar numa cerimónia de casamento.Não sei quem estava mais nervoso, se eu se os meus amigos, os noivos! Eles, porque ião casar! Eu, porque senti nos olhares da assistência o questionar da escolha do orador! Não os censurei! Pensei exactamente o mesmo que muitos cogitaram naquele exacto momento: sou jovem, logo o meu conhecimento e experiência conjugal serão certamente reduzidos. Posta de lado a possibilidade de elaborar uma reflexão “madura” sobre o assunto, todavia, num momento onde o casamento voltou à ribalta das discussões políticas apraz-me, com humildade e honestidade, partilhar também nestas linhas aquilo que me vai na alma sobre este tema.
 
Na minha infantil jornada conjugal, poderei dizer-vos: que o casamento não é bom. É muito bom. Quão agradável é voltar para casa depois do trabalho. Não tanto pela satisfação do espaço que me acolhe mas pelo abraço aconchegante da minha mulher. Da alegria em poder vê-la. Da tranquilidade que experimentado ao ouvir a sua voz. Do estremecimento do meu corpo mediante os seus beijos roubados.
 
Porque o tempo de casado não me permite muita autoridade para vos dizer o que é um casamento, será mais fácil iniciar a minha reflexão pelo que ele não é. Deste modo, ouso começar por identificar três aspectos que o casamento não é, mas em virtude da cultura de consumo, se tem tornado:
 
  1. Não é uma produção cinematográfica. Após a escolha do melhor cenário – leia-se a igreja mais bonita – os noivos cumprem o guião que copiam das revistas. Apresentam-se como actores principais e convidam o melhor elenco para abrilhantar o seu filme.
  2. Não é um desfile de moda. Uma passerelle onde, de forma esmerada, os noivos convidam os convidados a exibir o melhor do seu guarda-roupa. Ligadas as luzes, as máquinas fotográficas e câmaras de vídeo atropelam-se para que tudo e todos fique registado no famoso álbum como se de uma revista cor-de-rosa se tratasse.
  3. Não é uma boda. Uma festa rija recheada dos mais diversos vinhos e requintadas iguarias que, para além de extorquir o dinheiro aos pais dos noivos, rouba a saúde que resta aos convidados. Para não falar do crime de fazer sobrar o dobro daquilo que é necessário.
 
Posso não saber muito sobre o matrimónio mas sei que depois do casamento civil efectuado, a cerimónia religiosa ainda tem importância – não se sabe ainda por quanto tempo – para aqueles acreditam em Deus. Cheios de fé, os noivos convocam a assembleia dos crentes para que, todos juntos – sempre são mais a pedir – possam interceder pedindo aos céus para que a bênção divina se revele numa paixão eterna.
 
Todavia, é sobre este momento que gostava de lançar um desafio reflexivo: Antes de pedirem a Deus a bênção, os candidatos à mesma deviam de ler e meditar no que consiste tal bênção e as condições da sua aquisição! Porquê?
Todos nós estamos habituados a assinar contratos com seguradoras a fim de proteger bens ou prevenir problemas de saúde no futuro. Porém, quantos lêem – com mais ou menos rigor – todas as cláusulas do respectivo acordo? Porque alguns têm feito isso com o casamento religioso, queixando-se à posteriori das garantias anexas ao divino contrato nupcial, para evitar surpresas desagradáveis proponho uma reflexão sobre as três cláusulas que a Bíblia propõe para um casamento abençoado por Deus.
 
 
 
1.      No livro de Génesis (2,18-23) constatamos que Deus, vendo o homem triste, considerou que não era bom para ele permanecer só. Então criou a mulher para que, nessa relação de companheirismo, ambos – e não apenas o homem ou a mulher – experimentassem a alegria em desfrutar da presença um do outro. Dissipada a solidão, a tristeza deu lugar a uma alegria singular. Assim, de individuo abençoado por Deus, Adão e Eva, passaram a constituir uma família cuja presença do conjugue produzia satisfação. Uma família abençoada por Deus é uma família onde marido e mulher são uma bênção mútua. Mais do que pedir a bênção a Deus, a Bíblia propõe aos candidatos a marido e mulher que sejam uma bênção um para o outro sabendo gozar da alegria promovida com presença do conjugue.
 
2.      Tradicionalmente também se lê nestas cerimónias o v.24 do mesmo texto. Os ministros lembram então que a simbologia em deixar a casa paterna deve significar o empenhamento na construção de uma nova família – a sua, não a extensão da dos pais. Uma construção personificada por uma união mística que os considera um só ser. Por isso, aproveita-se para dizer aos pais que não se metam na casa dos filhos, e aos filhos para não viverem na dependência (financeira, emocional, psicológica ou social) dos pais. Está correcto! Porém proponho aos noivos que, se desejam ser uma família abençoada, ao lerem este trecho lembrem-se que a narrativa não apela a deixarmos de ser uma bênção para os nossos pais. No livro de Êxodo (20,12) honrar pai e mãe é o 1º mandamento com promessa para uma vida abençoada e não cessa com casamento. Com efeito, devemos honrá-los continuamente. É correcto apelar a Deus para que nos faça um com nosso conjugue. Porém, o pedido dessa misteriosa união tem como consequência prestar honra ao pai e mãe do nosso conjugue. È muito fácil cair na tentação de procurar uma igreja onde celebrar o nosso casamento a fim de invocar as bênçãos divinas. Porém, a Bíblia adverte que esse mesmo pedido depende do empenho e coragem em ser uma bênção para os nossos pais, em particular com os sogros! Uma família abençoada por Deus é uma família que honra os seus pais e sogros.
 
3.      Quando na narrativa bíblica lemos a chamada do patriarca Abraão (Gn 12,2-3) verificamos que, ao retirá-lo do conforto da sua família ascendente, Deus faz-lhe uma promessa: “Eu te abençoarei… Sê tu uma bênção! … para todas as famílias da terra” Uma família abençoada é uma família que aceita como missão ser também uma bênção para outras famílias. No livro de Actos verificamos que as primeiras comunidade cristãs nasceram de e em famílias que ousaram ser uma bênção. Famílias que abriram as portas das suas casas para hospedar estrangeiros e, mediante o simples gesto de acolher e ajudar, superavam ou minimizavam carências materiais ou espirituais. Quantas vezes estas famílias sacrificaram a sua própria privacidade para serem uma bênção? Aqueles que desejam a bênção divina devem desejar do mesmo modo ser uma bênção para aqueles que Deus colocar no seu caminho.
 
A narrativa bíblica revela que essa bênção se materializa na medida em que a família for, também, uma fonte de bênção para aqueles que vivem à sua volta. Com efeito, a todos quanto estejam a pensar se candidatar ao pedido da bênção divina para as suas futuras famílias, para além da beleza da igreja, da riqueza do programa litúrgico ou popularidade do ministro celebrante, a Bíblia propõe que os mesmos não deixem de contemplar:
 
a)      o desejo de serem sempre uma bênção para o cônjuge, e não apenas enquanto jovens ou por tempo determinado.
b)      o desejo de serem uma bênção para os respectivos pais e sogros.
c)      o desejo de serem uma bênção para as famílias que os rodeiam.
 
Quanto aos que já figuram no Clube dos Poetas Casados, a partir desse dia e no porvir, sejamos também uma bênção para os noivos. Não tanto no valor das tradicionais prendas mas abençoando-os com o nosso amor, como o nosso tempo, com a nossa casa, como o que somos e temos para lhes disponibilizar. Abençoando-os, sendo também um exemplo: uma família onde podem encontrar consolo nos tempos difíceis.
 
Fazendo isto, as Sagradas Escrituras afirmam que Deus, ricamente abençoará a todos. (cf Gn 12,3) Primordial e fundamento de todos os favores divinos, a família é a mãe de todas as bênçãos.

 

 

Simão Daniel

(aluno do Mestrado em Ciência das Religiões na ULHT)

publicado por Re-ligare às 12:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Outubro de 2008
SOCIEDADES DO MEDO




1.Há medos e medos. Medo do escuro, medo de casas assombradas, medo de viajar de avião, medo de ser assaltado, medo de falar em público, medo de contrair doenças, medo de mudar, medo de adormecer, medo de acordar, medo de sofrer, medo de viver, medo de morrer. Mais antigos ou mais modernos, são medos paralisantes e a lista poderia ser aumentada. Há, porém, medos que são necessários para evitar perigos e, nesse aspecto, podem ser pedagógicos. Deus nos livre de quem não tem medo de nada!

Encontramo-nos, actualmente, numa situação paradoxal: vivemos numa das sociedades mais seguras e prometedoras da História e mais obcecada com a segurança. Parece que quanto mais seguros estamos, objectivamente, mais inseguros nos encontramos e mais protecção exigimos. Vivemos um tempo de incertezas que nos tornam vulneráveis sob o ponto de vista social, económico e afectivo.

Isto revela-se, especialmente, no campo da saúde que depende de tudo. Somos, diariamente, alertados para os mil cuidados que é preciso ter, tanto acerca daquilo que a favorece como daquilo que a ameaça. Livros e revistas dizem-nos o que devemos comer, o que devemos beber e o que devemos evitar, não esquecendo os exercícios físicos indispensáveis e as atitudes da mente que os devem acompanhar. Nessas propagandas, a ciência, o palpite e a aldrabice moram lado a lado. Há quem diga que servem, sobretudo, para aumentar as listas de espera nos hospitais, nos centros de saúde, nos consultórios médicos, sem eliminar o recurso à bruxa e ao milagre. Agora, avisam-nos que a compra de medicamentos online só deve ser feita em sites certificados, pois a sua falsificação já rende mais do que o tráfico de droga. Para quem dispõe de grandes recursos económicos, há muita oferta requintada para afastar todos os medos sem, para já, evitar a morte.

2. O conhecido cientista Stephen Hawking foi receber, a Santiago de Compostela, o I Prémio Fonseca 2008. Para ele, a ciência dará uma resposta definitiva sobre o começo do universo. As leis, pelas quais a ciência se rege, deixam pouco lugar para Deus e o seu conhecimento substituirá as religiões. Mas, nem por isso, as suas declarações nos deixam mais seguros:
as actividades humanas afectam a tal ponto o sistema climático que será muito difícil, nos próximos cem anos, evitar um desastre no planeta Terra. Para o célebre físico britânico, o futuro da humanidade, a longo prazo, está no espaço. Entretanto, a humanidade poderá decifrar todo o genoma humano e modificar, a partir daí, aspectos como a inteligência, os instintos ou a duração da vida. Por outro lado, logo que apareçam tais superhumanos, haverá problemas políticos graves com os humanos não melhorados que serão incapazes
de competir com eles. Presume-se que ou morrem ou se tornam irrelevantes.

3. Será por falta de superhumanos que estamos mergulhados numa crise global, sem ter quem nos explique os misteriosos ciclos da economia de mercado e a liberdade incondicional dos gestores da especulação financeira?  Mesmo em humanos não melhorados, era de esperar mais sabedoria e um pouco mais de humanidade. É verdade que um conhecido filósofo do “pensamento débil”, Luc Ferry, que não pode acreditar no afundamento do capitalismo, supõe que, quando se fizer um balanço, daqui a alguns anos, provavelmente, ir-se-á verificar que a actual crise poderá ser apenas um ajustamento e que
a maioria das pessoas terá sido largamente beneficiada.
 

Para este género de optimismo darwinista, as vítimas não contam, são o preço a pagar pela liberalização e competição dos mercados. Como todos, por enquanto, têm de morrer, felizes os que chegarem tarde, já com a mesa posta, sem terem sofrido as dificuldades dos antepassados. Se a actual crise pode ser uma bela ocasião para grandes negócios, neste momento, nem todos acreditam que a mão invisível do mercado se lembre dos bolsos vazios dos mais pobres e dos mal-remediados.

Não sabendo, no momento em que escrevo, as medidas que vão ser tomadas para vencer a crise, só vejo estilhaços em todas as direcções, nos cenários apocalípticos das grandes praças financeiras.


Teimo em recordar, apenas, o princípio típico da doutrina social cristã: os bens deste mundo são originariamente destinados a todos. Sublinho a opção histórica de Jesus: o amor preferencial pelos pobres. Como lembrou João Paulo II, hoje, dada a dimensão mundial que a questão social assumiu, este amor preferencial, com as decisões que ele inspira, não pode deixar de abranger as imensas multidões de famintos, de mendigos, sem-abrigo, sem
assistência médica e, sobretudo, sem esperança de um futuro melhor: não se pode deixar de ter em conta a existência destas realidades. Ignorá-las significaria tornar-nos como o «rico avarento», que fingia não conhecer o pobre Lázaro, que jazia ao seu portão (Lc 16, 19-31).

Enquanto houver guetos de pobres e condomínios fechados de ricos, é de ter medo. Para evitar o medo omnipresente, é preciso reorganizar o espaço urbano, público, onde todos se possam encontrar e enriquecer a diversidade cultural. Juntos, não teremos medo.

 
Frei Bento Domingues, o.p. 
(primeiro director da lic. em Ciência das Religiões)
 

artigo publicado no Público deste fim-de-semana.

publicado por Re-ligare às 22:31
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds