Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Sábado, 27 de Junho de 2009
POSSO FAZER UMA PERGUNTA...?

Estive em Israel. Foi uma viagem fascinante. Breve mas intensa. A minha mulher e eu queríamos muito fazer uma primeira aproximação à geografia dos evangelhos. E fomos. Viagem de fim-de-semana. Literalmente. Mas corremos muito – o facto de não termos ido nessas excursões de turismo à «terra santa», deu-nos muita liberdade de acção e possibilidade de aproveitar, ao máximo, o tempo de que dispúnhamos e o espaço de que desfrutávamos.

 
Alugámos uma viatura e percorremos essa parte do país que vai desde o Mar Morto até ao Mar da Galileia. E visitámos muitas cidades e pontos relevantes nos evangelhos. Foi fantástico. Queremos lá voltar no próximo ano.
 
Num só dia vi três situações que me aguçam a vontade de problematizar, a necessidade de questionar, e a inevitabilidade da dúvida.
 
Sábado, 9:00h. Preparávamo-nos para sair do Hotel, quando ouvimos, vindos de uma sala do Hotel, cânticos religiosos. Seguimos o rasto do som e demos, de caras, com uma celebração de uma igreja cristã que se reunia nesse mesmo hotel. Um pastor evangélico dirigia os cânticos e as orações.
 
Nesse mesmo dia, perto da hora do almoço, visitámos o «Muro das Lamentações». Mexeu comigo, violentamente, ter visto um judeu ortodoxo que chorava, literalmente, «baba e ranho», enquanto, num movimento pendular com a cabeça para a frente e para trás, pranteava a glória perdida de Israel e a angústia da demora dessa restauração.
 
A meio da tarde, já do outro lado do vale de Cedron, perto do jardim do Getsêmani, vi um muçulmano prostrado com a face no chão, sobre um tapete, voltado para Meca. Indiferente a quem passasse e despreocupado com o facto de ter abandonado o seu ponto de negócio ambulante, lá estava ele rendido e totalmente entregue à sua oração da tarde.
 
Chegou a noite e, antes de me deitar, a pergunta assaltou-me sem pedir licença. Ainda hoje me persegue, me incomoda e me interpela: quais, dentre estes, Deus se recusa a ouvir?

 

Luis Melancia

Docente na LIc. em Ciência das Religiões

publicado por Re-ligare às 03:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds