Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010
SIC ET NON

 

O pensamento filosófico medieval é pontilhado por várias figuras que se tornaram pontos de luz num firmamento de relativo breu. E dizemos que é um breu relativo porque, de resto, não existe iluminação perfeita nem treva absoluta. Vivemos, desde sempre, num permanente estado de lusco-fusco.

Uma dessas figuras estrelares do pensamento filosófico do século XII foi Pedro Abelardo, ou Abelardo de Paris. Filósofo, teólogo, as suas aulas eram sempre muito disputadas pelos alunos desejosos de ouvir a claridade, a luminosidade do seu pensamento. O que nem sempre era bem recebido pelos seus pares…

Abelardo mostrava-se entusiasmado com o pensamento dialéctico, descobrindo afirmações e negações em todas as coisas aprendidas e ensinadas naquele tempo. A sua famosa obra SIC ET NON (Sim e Não), era uma tentativa de harmonizar as diferenças que entretanto surgiam na teologia medieval. Mas essa sua abordagem dialéctica nem sempre surtia o efeito desejado porque, por vezes, os NÃO tornavam-se presenças incómodas na organização do pensamento teológico fundamentalista e dogmático da Idade Média. O NÃO era proibido; isto é, era proibido questionar ou resistir - quanto mais negar... - o SIM infalível e inquestionável que a autoridade religiosa pronunciava.

SIC ET NON - SIM E NÃO! E assim se vai vivendo a vida. Temos é de aceitar que, quer queiramos quer não, muitos dos nossos SIM estão permeados por muitos NÃO. Quantas certezas indiscutíveis, quantas crenças irrefutáveis, quantas convicções inabaláveis, quantas esperanças firmadas – quantos dos nossos SIM - estão afinal acompanhados por alguns NÃO que desorganizam a nossa vida interior, põem em causa uma certa ordem, ameaçam uma certa estabilidade e que, ainda por cima, teimamos em não querer reconhecer!

A ver se aprendemos: Abelardo viveu para nos dizer que a vida é dialéctica; que a vida é constituída de forma inelutável, iniludível, sempre, por SIM e NÃO.
 
Luís Melancia
Docente na Lic. em CR
publicado por Re-ligare às 12:28
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2010
Andamos sempre a cair...

 

 

Cheguei ontem a Brasília.
 
Quando o avião estava a aterrar, dei comigo a pensar: qual é a semelhança entre um avião que se despenha violentamente contra o solo e um avião que aterra suavemente numa pista? Sim, há uma semelhança: é que ambos estão em queda! A diferença é que o primeiro está em queda descontrolada e o segundo em queda controlada.
 
Na «Gaia Ciência», Nietzsche descreve o niilismo desta forma: «Para onde vamos nós próprios? Não estaremos incessantemente a cair? Para diante, para trás, para o lado, para todos os lados?».
 
A ideia de queda, nas suas múltiplas dimensões, marca tragicamente a vida do homem. Mas a ideia de queda não é um conceito aplicado só à vida no plano pessoal; é também no plano cósmico. O mito de criação babilónico, por exemplo, apresenta-nos a criação a partir de um quadro de profunda violência e desordem. É o corpo dilacerado da deusa que dá origem ao universo e do seu sangue surgem as constelações. O mito judaico da criação também apresenta a formação dos mundos a partir de um estado de queda: é a criação que surge a partir da vacuidade e do caos disforme.
 
É um facto: somos habitados – tragicamente habitados – por um conceito de queda. E o facto de sermos seres em constante queda, de estarmos, como dizia Nietzsche, «incessantemente a cair», torna afinal o homem um ser decadente! O segredo, contudo, está em ter uma queda controlada para minimizar os danos e optimizar, afinal, a vida.
 
Andamos sempre a cair; mas, por incrível que pareça, a vida também se forja, também se ergue, também se vive a partir de quedas.
 
Luís Melancia

 

publicado por Re-ligare às 13:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010
HAJA LUZ...MAS NÃO MUITA!

No discurso «Dos Sublimes», Nietzsche faz Zaratustra dizer que há homens que estiveram sentados à sombra durante tanto tempo, que as suas faces empalideceram.
 
De facto, há homens que, sem darem por isso, inflaram tanto que já só vivem à sombra de si próprios. Tudo o que dizem é tudo o que há para dizer; tudo o que sabem é tudo o que se pode saber. Eles são a medida da luz que é permitida àqueles que preguiçosamente se sentam à sua sombra e que meneiam a cabeça obedientemente. Coitados, vivem deslumbrados com tantos tons…mas de cinzento. Para esses, acabou a procura porque não há caminho fora da sombra dos homens inflados; para além da sua sombra só há o abismo.
 
Eles dão o tom – a todas as outras harmonias chamam dissonâncias, e dizem que ferem os ouvidos.
 
E ai dos outros homens que ousarem ter luz própria ou sair da sombra dos homens inflados. «Que uma luz maldita faça cegar todos os que deixaram a minha sombra», cismam com olhos semi-cerrados e sussurram entre dentes.
 
Homens inflados, criadores de sombras, formam comunidades de homens macilentos, pálidos e cadavéricos; homens fracos, de pensamento vazio (será que pensam…?), submissos, ensombrados por uma sombra imponente, grandiosa, que os esmaga.
 
«Haja luz», mas desde que não invada, disperse e dissipe as sombras dos homens inflados, porque, como dizia o ditador, «a muita luz cega o povo». É proibido buracos na sombra, não vá entrar a luz e saírem os homens macilentos.
 
E há sempre quem se habitue à sombra; há sempre quem tenha medo da noite que antecede o dia; há sempre quem não queira ver o sol…
 
Luís Melancia
Docente na Lic. de C. Religiões
publicado por Re-ligare às 11:56
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds