Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Sábado, 26 de Junho de 2010
Horas de levantar

A minha filha, fã incondicional da cultura e sociedade nipónicas, mostrou-me há dias este provérbio japonês: cair sete vezes, levantar-se oito».


Na «Gaia Ciência», Nietzsche descreve o niilismo desta forma: «Para onde vamos nós próprios? Não estaremos incessantemente a cair? Para diante, para trás, para o lado, para todos os lados?».

A ideia de «queda», nas suas múltiplas dimensões, marca tragicamente a vida do homem. Mas este não é um conceito aplicado só à vida no plano pessoal; é também no plano cósmico. O mito de criação babilónico, por exemplo, apresenta-nos a criação a partir de um quadro de profunda violência e desordem – de queda. É o corpo dilacerado da deusa que dá origem ao universo e do seu sangue surgem as constelações. O mito judaico da criação também apresenta a formação dos mundos a partir de um estado de queda: é a criação que surge a partir de um cenário de vacuidade e de caos disforme.

É um facto: somos habitados – tragicamente habitados – por uma propensão para a queda. E o facto de estarmos «incessantemente a cair», como dizia Nietzsche, torna o homem um ser decadente! O segredo, contudo, está em ter uma queda controlada para minimizar os danos e optimizar, afinal, a vida.

Cada passo em frente é também uma queda! Andamos e caímos. Mas por incrível que pareça, a vida também se forja, também se ergue, também se vive a partir das quedas.

 

Já são horas de me levantar

 

Luís Melancia

Docente na Lic. em CR

publicado por Re-ligare às 01:03
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Junho de 2010
Trocar olhares não chega...

Jacob Levy Moreno (1889-1974), psiquiatra judaico romeno, escreveu na primavera de 1914, em Viena, o primeiro de uma série de escritos poéticos, intitulado Einladung zu Einer Begegnung (Convite a um Encontro) que é, evidentemente, a primeira definição literária de «encontro», o conceito que se tornou central, no movimento existencialista. Para descrever o encontro, ele apresenta duas pessoas trocando os olhos para se compreenderem e se conhecerem mutuamente:

«Um encontro de dois: olho a olho, face a face. E quando você estiver próximo, arrancarei seus olhos e os colocarei no lugar dos meus; você arrancará meus olhos e os colocará em lugar dos seus; então olharei para você com seus olhos, e você olhará para mim com os meus».

A nossa dificuldade em entender o outro resulta da nossa impossibilidade em olhar para o outro a partir dele! Tudo o que conseguimos fazer, afinal, é olhar para o outro a partir de nós próprios, com os nossos próprios olhos e formas de olhar. É por isso que esta «teoria do encontro», de Moreno, é genial: a proposta apresentada é trocarmos os olhos com a outra pessoa.

Conhecer o outro é um desafio! Como bem nos recordou o Dr. Guilherme de Oliveira Martins, a palavra francesa para conhecer é a palavra «connaitre» que quer dizer «nascer com». E é muito por aí: só poderemos conhecer o outro se tivermos a possibilidade – e a disponibilidade – de nascer com ele, no seu mundo, nascer nos seus olhos e na forma de ele ver.

Trocamos olhares com o outro mas isso não chega! Mais importante que trocar olhares é trocar de olhos com o outro. É vê-lo, entendê-lo, descobri-lo como nunca antes tínhamos conseguido.

 

O caminho é longo...tanto mais quanto me parece que, por vezes, nem olhar o outro nos olhos nós conseguimos!

 

Luís Melancia

Docente em CR

 

publicado por Re-ligare às 23:45
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds