Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Terça-feira, 22 de Julho de 2008
Esperança

 

No livro «A Violência do Mundo», Edgar Morin utiliza um termo curioso para falar do estado actual do mundo: desesperança.
 
E aponta dois caminhos, «dois princípios de esperança na desesperança». O primeiro é o princípio da metamorfose. Assim como acontece com a lagarta que se transforma numa borboleta, assim também este complexo sistema de vida tem de criar um meta-sistema. O problema que está em jogo é o problema das metamorfoses: como passamos de uma forma para a outra? Como chegaremos a esse meta-sistema, recriado e transformado a partir do património existente? Como construímos o diferente a partir do mesmo? Não dá resposta.
 
Depois aponta o seu segundo caminho: a possibilidade da mudança a partir da possibilidade do improvável entrar na História. E descreve como a predição de Hitler, isto é, de que o seu império duraria mil anos, veio a ser destruída por causa de alguns imponderáveis – factores improváveis que entraram na História e mudaram o cenário por inteiro. E o desespero é tanto que chega mesmo a aconselhar-nos a que «procuremos ter um pouco de fé no improvável».
 
Ficamos com pouco. Primeiro ficamos a saber que necessitamos de um meta-sistema mas não sabemos como fazê-lo nascer. Estamos como estava o poeta inglês Matthew Arnold (1822-1888): «entre dois mundos, um já morto e outro sem força para nascer».
 
Depois, ficamos a saber que temos de ter fé…no improvável! Isto é, temos de esperar que uma certa desordem futura interfira na História e mude esta desordem presente. Este caminho, apontado por Morin, não chega para construir um sistema de esperança. Temo, até, que se seja causador de maior desesperança; mais, de desespero.
 
Se o existencialismo ateu nos oferece pouco, a religião também não oferece muito mais. O que ela faz é oferecer-nos sistemas de «esperança adiada», uma esperança que vai fazendo o coração adoecer porque não se realiza na concretude do presente. Provérbios 13:12 diz tal e qual: «a esperança adiada faz adoecer o coração»! E adoece o coração porque promete o incerto, o impreciso, o inexacto.
 
Mas não podemos ficar prisioneiros nem da «fé no improvável» nem da «esperança adiada». Tem de haver outro caminho: o grande desafio não é esperar por um outro mundo: é construir um mundo-outro. E temos de assumir que teremos de ser, cada um de nós e em cada momento, esses artesãos da esperança através da forma como vivemos, convivemos e tecemos a vida. Mais do que ter esperança, importa ser esperança.
 
Luís Melancia

 

publicado por Re-ligare às 13:10
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds