Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Quarta-feira, 29 de Julho de 2009
SOBRE AGARRAR E DEIXAR ESCAPAR

 

Uma das coisas que nos diferencia dos animais é a mão; e a anatomia do dedo polegar diferencia-nos dos primatas. Nos humanos, o polegar é posicionado ligeiramente mais longe dos outros quatro dedos, o que lhe permite opor-se a eles, bem como ter maior rotação. O nosso dedo polegar pode ser girado contra os dedos, o que permite pegar objectos de diferentes tamanhos com a mesma eficiência e manipulá-los com maior destreza. Essa alteração anatómica possibilita uma ampla variedade de funções que os humanos têm e os primatas não.

O polegar opositor dá-nos tanto força para agarrar, quanto precisão para desenvolver movimentos subtis. As actividades executadas pelas mãos humanas são bastante diversificadas e possibilitam não somente a utilização de ferramentas como a lança e o machado, mas também de objectos tão pequenos quanto a linha e a agulha. E isto sem dizer que só as mãos humanas podem servir para pintar um quadro ou tocar um violino.
 
A anatomia da mão é representativa desta nossa necessidade de agarrar. Deitamos a mão às coisas que desejamos, agarramos aquilo que conquistamos, aferramo-nos ao que nos é vital. E, por vezes, é tanta a vontade de agarrar, que quase transformamos as mãos em garras…
 
Por outro lado, por mais que agarremos não conseguimos evitar que tantas coisas se nos escapem. Umas escapam-se porque não as soubemos reter, outras escapam-se porque simplesmente têm de partir.
 
Depois, há coisas que agarramos mas erramos em agarrá-las…. Em Marcos 8:36, o evangelho diz que pouco importa ganhar o mundo inteiro e perder a própria alma. Isto é, de pouco serve agarrar a exterioridade e perder a interioridade!
 
Depois de tudo, ainda falta dizer que há coisas que, o melhor, mesmo, é que se vão…
 
Luís Melancia
Docente na Licenciatura em CR

 

publicado por Re-ligare às 20:29
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds