Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009
Deus à solta

 

 
 
 
1.A selecção dos textos bíblicos, para cada Domingo, pode nem sempre ser a melhor. Não vou ao ponto de dizer, como certo pároco que, não tendo preparado a homilia, só teve uma saída: “o Evangelho de hoje não presta”.
Isto não significava, necessariamente, falta de respeito. Há textos e textos. A Igreja acolheu, no seu cânone, quatro versões da intervenção de Jesus. Estão todas marcadas pelo estilo, pela situação cultural e pela estratégia de cada um dos seus autores. Embora tenham fontes próprias e comuns, não pretendem fazer História no sentido que esta adquiriu nos tempos modernos. Procuram, vários anos depois da morte do Nazareno, continuar a fazer discípulos de Jesus e do seu caminho,que tinha baralhado todas as ideias feitas e prescrições religiosas. No entanto, qualquer uma das quatro narrativas canónicas – isto vale também para as apócrifas – sem a paixão por Jesus Cristo, que as percorre, perdem todo o sal.
A selecção deste Domingo é muito interessante. Recolhe um trecho do Livro dos Números, 11, 25-29, outro da Epístola de S. Tiago 5, 1-6 e uma passagem do Evangelho de S. Marcos 9, 38-48, o brilhante evangelista deste ano. Tanto o trecho do livro dos Números como o do Evangelho tocam num ponto muito sensível do comportamento religioso: não deixar Deus ser Deus, não o deixar à solta, prendê-lo numa rede de conceitos, de ritos, de normas morais, de tabus.
Não só isto. Há religiões, grupos e movimentos religiosos que pretendem gozar de revelações e alianças privilegiadas, exclusivas, com a divindade. Confessam que não é pelos seus méritos que gozam desses dons. Foi Deus, nos seus misteriosos desígnios, que revelou as mediações pelas quais pode ser encontrado e, fora delas, não há salvação. Diga-se, de passagem, que isto não se coaduna lá muito bem com outras convicções e talvez mais fundamentais: Deus quer a salvação de todos e realizá-la-á por caminhos só por ele conhecidos. Deus fica à solta.
2. No Antigo Testamento, o Livro dos Números reflecte bem esta problemática. Há sempre alguém que não gosta dessas liberdades em religião: as coisas devem ser feitas sempre segundo o ritual previamente determinado e, se o Espírito de Deus toma iniciativas não previstas, devem ser os dirigentes religiosos a dizer-lhe o que está certo e o que está errado. São eles que gozam da missão divina de orientar a Deus. Moisés foi intimado a meter na ordem dois profetas desgarrados e reagiu de modo genial aos inquisidores: “Estais com ciúmes? Quem me dera que todo o povo do Senhor fosse profeta e que o Senhor infundisse o seu Espírito sobre eles!”
No Novo Testamento, no Evangelho de S. Marcos, acontece algo de parecido. Depois da problemática apresentada, aqui, no Domingo passado, sobre o carreirismo dos discípulos de Jesus, temos, hoje, outro cenário não menos curioso. Já não se trata de uma disputa entre eles, mas do medo de verem alargado o mundo dos adeptos de Jesus sem escolha oficial, exercendo tarefas e missões que julgavam sua reserva: “Mestre, vimos alguém expulsar demónios em teu nome e procuramos impedir-lho porque não nos segue. Jesus disse-lhes: Não o impeçais, porque não há ninguém que faça um milagre em meu nome e depois vá dizer mal de mim. Quem não é contra nós é por nós”. Em vez da alegria de encontrar aliados, os discípulos só viam concorrentes. Ao fim e ao cabo, o seguimento de Jesus era só para alguns. Esta vai ser a grande problemática dos começos do cristianismo.
Durante algum tempo, os discípulos não perceberam o alcance universal das atitudes de Jesus em relação a todos os que não seguiam as prescrições humanas em nome de Deus. Ficou cunhada, para sempre, uma sentença revolucionária acerca das instituições que, em nome da religião, se tornam prisões do ser humano: “o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado (Mc 2, 23-28). Segundo o Evangelho de Marcos, desde o começo, foi precisamente a tacanhez religiosa dos seus contemporâneos que os impediu de acreditar no Evangelho, na irrupção do Espírito de Deus na intervenção libertadora de Jesus. Se este não seguia os costumes religiosos estabelecidos, não podia ser um homem de Deus. Era um possesso de Belzebu, de Satanás, de um espírito imundo (Mc 3, 22-30)…
3. Para a Epístola de S. Tiago, a religião verdadeira não é uma questão de ritual. É cuidado com os pobres e conversão dos ricos. Quem a ler terá de vencer uma distância cultural e económica de dois mil anos. A diatribe, porém, mantém-se: “Acumulastes tesouros para os vossos últimos dias! Olhai que o salário que não pagastes aos trabalhadores que ceifaram os vossos campos está a clamar; e os clamores dos ceifeiros chegaram aos ouvidos do Senhor do universo! Tendes vivido na terra, entregues ao luxo e aos prazeres, cevando assim os vossos apetites… para o dia da matança! Condenastes e destes a morte ao inocente e Deus não vai opor-se?”
No Novo Testamento, a insistência na libertação de rituais religiosos, enquanto prisões, destina-se à descoberta da religião verdadeira: abertura a um Deus livre, mas não indiferente à sorte dos pobres e dos explorados.
         
Frei Bento Domingues, o.p.
publicado por Re-ligare às 12:39
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds