Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Domingo, 20 de Dezembro de 2009
Os filósofos e o Natal

 

1.A celebração do Natal, como festa da família, apresentou-se, durante muito tempo, como um dos maiores êxitos da inculturação do cristianismo. Mesmo com a chamada “crise da família” – ou dos seus modelos –, ainda não perdeu essa nostalgia. Cresceu, por outro lado, a sensibilidade para a condição dolorosa dos “sem abrigo”. Não se pode ignorar, todavia, que a situação daqueles que são apanhados entre fogos cruzados de diversas formações familiares pode acordar, em muitos, um irremediável sentimento de perda e solidão.
Com a vitória publicitária do Pai Natal sobre o Presépio, não falta quem procure desvalorizar, por razões opostas, a importância desta data, destacando que o 25 de Dezembro não é o dia do nascimento de Jesus Cristo. De facto não é, mas também não se trata de uma escolha arbitrária. É a substituição cultural e religiosa da festa pagã do nascimento anual do sol – segundo o calendário grego e romano – pela celebração do nascimento de Cristo, o verdadeiro sol da justiça e da graça, estrela da manhã de um mundo novo.
2. Nesta época de Natal, a revista Philosophie Magazine (Hors-série, Nov.-Dez. 2009) publica um número dedicado à “Bíblia dos filósofos”, limitada ao Novo Testamento. Os nomes são muitos e sonantes, destacando-se Kant, Leibniz, Nietzsche, Freud, Engels, Rosa Luxemburg, Lacan, Sartre, Wittgenstein, Todorov, Nancy, Luc Ferry, A. Comte-Sponville, Badiou, René Girard, Agamben, Žižek, Hannah Arendt, etc. Embora seja um número especial, o espaço de cada um tinha de ser muito limitado. Pode dar a ideia de tagarelice filosófica que Wittgenstein detestava. Quem desejar uma informação mais especializada sobre o que foi a presença, negada ou afirmada, de Deus na filosofia do século XX poderá recorrer a outras fontes, tendo sempre em conta a diferença entre o Deus dos filósofos e o Deus de Jesus Cristo destacada por Blaise Pascal (1).
De qualquer modo, a revista chama a atenção para uma problemática que importa acolher e discutir no interior da fé cristã. É verdade que, nesta época festiva, prefere-se o sentimento ao conhecimento, mas com o risco da continuada vitória da ignorância satisfeita. Paul Ricoeur já tinha reagido a esta situação: “Acho completamente inacreditável que, no ensino público, a pretexto da laicidade de abstenção própria ao Estado, nunca sejam verdadeiramente apresentadas, em profundidade, a significação das grandes figuras do judaísmo e do cristianismo. Chega-se ao seguinte paradoxo: as crianças conhecem muito melhor o panteão grego, romano ou egípcio do que os profetas de Israel ou as parábolas de Jesus; sabem tudo acerca dos amores de Zeus, conhecem as aventuras de Ulisses, mas nunca ouviram falar da Epístola aos Romanos nem dos Salmos. De facto, estes textos fundaram a nossa cultura muito mais do que a mitologia grega”.
3. O Presépio – Deus nascendo humano num curral – não é uma narrativa anti-filosófica nem anti-teológica. Dará sempre muito que pensar, não só a judeus e a gregos, como em todos os lugares e culturas, onde se tornar conhecido. Os Evangelhos Apócrifos não esqueceram a ruralidade de um menino aquecido pelo bafo do boi e do burro e os Evangelhos Canónicos encheram-no de pastores, de magos e de música. Ali, nascia um menino judeu que não cabia no judaísmo nacionalista. O seu reino era o do advento do humano universal. Não foi por acaso que colocaram Jesus a nascer na periferia porque toda a sua vida adulta foi a de colocar, no centro da sociedade, todos os que dela eram expulsos por razões de ordem económica, cultural, moral e religiosa.
O Evangelho de Marcos começou com Jesus adulto, experimentado e interveniente. Era um homem sem infância. Mas uma pessoa sem infância não pode ser humana. Por isso, embora num género literário muito especial – mais real do que o puramente histórico –, os Evangelhos de Mateus e Lucas tiveram a boa ideia de destacar o nascimento e o crescimento dessa criança de Nazaré. Só os animais é que nascem quase prontos para a vida adulta. O ser humano, depois de nove meses no seio materno, precisa, durante anos, da mãe e do pai para aí chegar. A história da relação familiar pertence à essência do que é tornar-se humano. Não se poderia falar de Deus humanado – como rezavam antigas orações portuguesas – sem passar pelo estatuto de criança.
Como o Novo Testamento é feito de cartas e narrativas, muitos estranham que, depois, apareçam doutrinas, definições e teologias marcadas pela cultura grega. Julgam como traição a passagem da inteligência da fé cristã de Jerusalém para Atenas pelos caminhos do Império Romano e da sua técnica.
A simplicidade do Presépio não é simplória como a do Pai Natal. O cristianismo é polifónico. Nunca poderá viver, de forma saudável, numa única expressão. Sem a linguagem quente da imaginação simbólica através da religião e das suas criações artísticas, sem as interrogações das diversas correntes filosóficas e das investigações científicas, sem a depuração mística, o cristianismo atraiçoa a condição humana que deve assumir na sua complexidade e diversidade. Santo Natal!
 
(1)     Giorgio Penzo – Rosino Gibellini (org.), Deus na filosofia do Século XX, Loyola, São Paulo, 2000.
 
Frei Bento Domingues, O.P. (Fonte: PÚBLICO, 20.12.2009)
publicado por Re-ligare às 16:54
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds