Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010
HAJA LUZ...MAS NÃO MUITA!

No discurso «Dos Sublimes», Nietzsche faz Zaratustra dizer que há homens que estiveram sentados à sombra durante tanto tempo, que as suas faces empalideceram.
 
De facto, há homens que, sem darem por isso, inflaram tanto que já só vivem à sombra de si próprios. Tudo o que dizem é tudo o que há para dizer; tudo o que sabem é tudo o que se pode saber. Eles são a medida da luz que é permitida àqueles que preguiçosamente se sentam à sua sombra e que meneiam a cabeça obedientemente. Coitados, vivem deslumbrados com tantos tons…mas de cinzento. Para esses, acabou a procura porque não há caminho fora da sombra dos homens inflados; para além da sua sombra só há o abismo.
 
Eles dão o tom – a todas as outras harmonias chamam dissonâncias, e dizem que ferem os ouvidos.
 
E ai dos outros homens que ousarem ter luz própria ou sair da sombra dos homens inflados. «Que uma luz maldita faça cegar todos os que deixaram a minha sombra», cismam com olhos semi-cerrados e sussurram entre dentes.
 
Homens inflados, criadores de sombras, formam comunidades de homens macilentos, pálidos e cadavéricos; homens fracos, de pensamento vazio (será que pensam…?), submissos, ensombrados por uma sombra imponente, grandiosa, que os esmaga.
 
«Haja luz», mas desde que não invada, disperse e dissipe as sombras dos homens inflados, porque, como dizia o ditador, «a muita luz cega o povo». É proibido buracos na sombra, não vá entrar a luz e saírem os homens macilentos.
 
E há sempre quem se habitue à sombra; há sempre quem tenha medo da noite que antecede o dia; há sempre quem não queira ver o sol…
 
Luís Melancia
Docente na Lic. de C. Religiões
publicado por Re-ligare às 11:56
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds