Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Sexta-feira, 20 de Agosto de 2010
NÃO FICARÁ AQUI PEDRA SOBRE PEDRA

 

A palavra templo – do latim templum – significa delimitar, cortar, dividir. Está dito: templos tornam-se locais de isolamento, de rompimento, de corte. A ideia de sacralidade do templo constrói-se à custa da diabilização do espaço exterior.

 

Por esse motivo ainda hoje podemos ver ao redor de muitos templos egípcios uma muralha feita com tijolos em forma de ondas, representando as águas caóticas que estão para além do espaço sagrado, delimitado.

 

O templo românico, caracterizado por igrejas que são autênticas fortalezas de pedra, com «janelas» diminutas, deixa-nos vislumbrar a necessidade psicológica do homem medieval de se proteger do caos, da instabilidade, da insegurança do exterior e recolher-se em segurança para tentar tratar das grandes questões existênciais, as questões da vida e da morte.

 

Templos - sistemas fechados, frios, preconceituosos, dogmáticos, que resultam da tentativa de homens inseguros em delimitar, definir (definir é dar fim), de enclausurar, de enjaular o homem num espaço mental facilmente controlável e considerado de segurança. A reverência no templo não convida só à meditação: impõe o silêncio, a aceitação acéfala e acrítica de tudo o que se diz autoritariamente em nome do Sagrado.

 

Há quem tire o chapéu quando entra no templo e há quem tire também a cabeça...

 

O templo de pedra é a tentativa de empedernir, endurecer, enrijecer uma ideia, um conceito, um preconceito, um tabu, um dogma e torná-los inquebráveis. E se alguém ousar lançar-se contra tais pedras...esmagar-se-á. O pior ainda é que, com muita frequência, os templos de pedra se tornam locais de apedrejamento...

 

O mito de criação judaico transporta a origem do homem para um jardim...porque vivemos melhor entre flores que entre pedras. Prefiro jardins a templos: no jardim vejo as cores, sinto as flores, cheiro os aromas, ouço os pássaros, deito-me na relva, sinto a brisa...e eu acho que Deus vive é nos jardins, não nessas casas frias de pedra.

 

O homem vive num reino mineral...pedras, pedras, e mais pedras. Algumas torna-as preciosas porque sim..mas são sempre pedras.E já o profeta Ezequiel alertou para o facto de que esse reino mineral dá mau resultado (Ezequiel 28:13-15). E não é que o Apocalipse diz que nessa nova cidade não haverá templo (Apoc. 21:22)??!!

 

É por tudo isto que acho que «não ficará aqui pedra sobre pedra»...

 

Luís Melancia

Docente na Lic. em CR

publicado por Re-ligare às 16:23
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds