Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Quinta-feira, 7 de Outubro de 2010
ABDUL MUTTALIB E O ANO DOS ELEFANTES (SEGUNDA PARTE)

Assalamo Aleikum Warahmatulah Wabarakatuhu, (Com a Paz, a Misericórdia e as Bênçãos de Deus)

 

Bismilahir Rahmani Rahim (Em nome de Deus o Beneficente e Misericordioso)

 

JUMA MUBARAK

Tema da Semana: - ABDUL MUTTALIB E O ANO DOS ELEFANTES (SEGUNDA PARTE)

 

Segue a segunda parte deste tema que está indirectamente relacionado com o mês de Hajj.

 

(Abdul Muttalib depois de receber de volta os seus 200 camelos que tinham sido roubados pelo exercito invasor, regressou a Makkah.)

 

Abraha deu instruções para que os elefantes e o exército marcharem contra Makah. O elefante chefe “Mahmud”, recusou-se a cumprir com as ordens e apesar de lhe espetarem com ferros, provocando feridas profundas, mantinha-se teimoso e ajoelhado. Os restantes elefantes imitavam o elefante chefe.

 

Entretanto o céu escureceu e voaram para o local, um bando de pássaros denominados de “Abadil”,carregando cada um deles 3 pedrinhas, uma no bico e outras duas nas patas e começaram a atirar para o exército invasor, causando inúmeras baixas, devido às perfurações e roturas na pele. O mesmo aconteceu a Abraha, que gravemente ferido começou a coçar-se, causando ainda mais queda da pele e de pedaços de carne. Os sobreviventes solicitaram a Dur Nafar que os trouxera como guia, para os orientar de volta a Sana, mas ele recusou-se afirmando: “Agora para onde se pode fugir, quando Deus persegue?”. Muitos morreram e outros regressaram feridos para Sana. Abraha teve uma morte lenta, com a desintegração dos ossos, acabando por morrer.

 

Este incidente teve lugar num local denominado de Muhassir, no vale de Muhassab, entre Muzdalifah e Mina. Segundo o relato de Jabir Bin Abdullah (Radiyalahu an-hu), o Profeta (Salalahu Aleihi Wassalam), em peregrinação, quando se deslocava de Muzdalifah para Mina, ele apressou os seus passos quando atravessava o lugar de Muhassir. Em Maliks Muwatta, Yahya referiu que Malik ouviu de Muhammad (Salalahu Aleihi Wassalam) dizer de que toda a zona de Arafa é boa para permanecer e toda a zona de Muzdalifah é também um bom local para acampar, com excepção do vale de Muhassir.

 

Os poetas de então, escreveram muitos temas acerca do assunto e evidenciaram que foi um verdadeiro milagre do Deus Único que salvou a Caaba da cobiça de Abraha e que os ídolos que lá estavam, nada podiam fazer contra o poderio dos invasores.

 

Este acontecimento muito comentado na altura, aconteceu no ano de 571 A.D., 1 mês e 22 dias antes do nascimento do Profeta Muhammad (Salalahu Aleihi Wassalam). Porque os invasores utilizaram elefantes para tentarem destruir a Caaba, os Árabes chamaram-lhes de “ASHABUL-FIL – Senhores dos elefantes” e ao ano em que ocorreu este milagre, “AMUL – FIL – Ano do elefante”.

 

O Cur’ane refere no capítulo 105 – Sural Al Fil: “Não viste como o teu Senhor tratou os donos do elefante? Não fez Ele gorar o seu estratagema (de destruir a Caaba) enviando contra eles pássaros em bandos, que lhes atiravam pedras de barro? E (Deus) tornou-os depois como uma seara verde devorada (pelo gado)?” – Surat Al Fil – 105.

 

Neste versículo do Cur’ane, Allah descreve duma forma muito breve, os castigos afligidos ao povo do elefante. Não foi necessária uma longa revelação acerca do assunto, uma vez que os acontecimentos tiveram lugar um pouco antes do advento do Isslam e todos os residentes de Makah e arredores lembravam-se e comentavam os acontecimentos com muitos pormenores. Por isso, não havia necessidade de mencionar os detalhes no versículo Al-Fil. Os Árabes sabiam que foi Deus e não os ídolos que salvaram a Casa de Deus.

 

Nota: Os 360 ídolos aqui referidos, um para cada dia lunar, foram definitivamente destruídos no ano 8 de Hégira pelo Profeta (Salalahu Aleihi Wassalm), quando regressou triunfante em Makah e sem derramamento de sangue, perdoando todos os seus inimigos que o perseguiram, o torturaram e o obrigaram a emigrar para Madina.

 

Até hoje, a Caaba é o local de convergência para todos os muçulmanos, local de peregrinação e de orientação para as orações, livre de quaisquer figuras (de ídolos, santos ou profetas). É a casa de Deus, construído pelo Profeta Abraão e pelo seu filho Profeta Esmael, (Aleihi Salam – Que a Paz de Deus esteja com eles).

 

Votos de um bom dia de Juma,

Cumprimentos

Abdul Rehman Mangá

30/09/2010

 

 

publicado por Re-ligare às 10:02
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds