Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Sexta-feira, 4 de Março de 2011
Havia uma estátua de Javé no templo de Jerusalém?

 

Uma das maiores pressuposições da exegese bíblica contemporânea consiste no chamado «aniconismo» javista, expresso no mandamento: «Não farás para ti nenhuma imagem esculpida…» (Dt 5,8), que se julgava antiquíssimo, remontando aos tempos de Moisés. Assim, acreditava-se que o aniconismo existira desde o início, de modo que o culto de Javé não contemplaria imagem ou representação alguma. E a arqueologia parecia confirmar esta suposição: efectivamente, nunca se encontrou nenhuma imagem ou representação iconográfica do Deus de Judá e de Israel[1].

Ultimamente, porém, alguns estudiosos têm posto em causa esta suposta «evidência», baseados sobretudo numa nova releitura de alguns textos bíblicos, particularmente dos textos deuteronomistas. Mas vamos por partes.

 

O aniconismo em Israel

Tryggve N. D. Mettinger foi quem mais aprofundou a questão do aniconismo em Israel e no contexto mais vasto do Médio Oriente antigo[2]. Nos seus escritos, este autor estabelece duas distinções. Em primeiro lugar, postula uma diferença entre um aniconismo de facto, pré-exílico e que Israel partilha com o mundo semita ocidental, e um aniconismo programático, a partir do exílio (expresso no segundo mandamento) e mais específico a Israel. O primeiro seria tolerante e, em muitos casos, teria coexistido com outras expressões icónicas (por exemplo, a representação de deusas); o segundo, absolutamente combativo, iconofóbico e iconoclasta. Em segundo lugar, Mettinger distingue ainda entre um aniconismo materializado (expresso, por exemplo, nas «estelas» cúlticas) e um aniconismo vazio (representado pelos «querubins» e, eventualmente, pelos «bezerros» de Betel). O primeiro constitui uma representação da divindade, mas sem tomar forma antropomórfica ou teriomórfica. O segundo pressuporia uma presença invisível da divindade: no caso de Jerusalém, os querubins constituíam o suporte da presença invisível de Javé-Sabaoth; e o mesmo aconteceria, segundo alguns exegetas, em Betel, onde os bezerros serviam de suporte à presença invisível de Javé (concebido como um deus da tempestade, à maneira de Baal em Ugarite, que também é representado sobre um bezerro).

Em relação ao aniconismo materializado no culto de «estelas», Mettinger não tem dificuldade em enumerar variadíssimos exemplos, de Mari à Arábia pré-islâmica, passando por Biblos, Tirzah, Dan, Láquis, Arad ou Petra. No que toca ao aniconismo vazio, o próprio reconhece maior dificuldade de argumentação (fundada sobretudo na iconografia fenícia), e a sua interpretação fundamenta-se numa construção teológica desenvolvida desde 1982, mas que foi criticada ainda recentemente[3]. Segundo Mettinger, o Primeiro Templo tinha desenvolvido uma teologia específica a Javé-Sabaoth (isto é, o Senhor dos «Exércitos [celestes]), segundo a qual Javé habitava o seu templo-palácio de Jerusalém, «entronizado» sobre os querubins e reinando sobre Sião, garantindo a sua segurança e inviolabilidade. A catástrofe do exílio foi um rude golpe para esta teologia, dando origem a duas outras, pós-exílicas: nos meios sacerdotais (Ezequiel e P), a teologia de Sabaoth foi substituída pela teologia da Kabod (a «Glória» divina); e, nos meios deuteronomistas, pela teologia do Shem (o «Nome» divino, pois, Deus, esse habita agora nos céus). O aniconismo programático destas duas teologias (em Dt 5 e Ex 20) seria, deste modo, a continuação do aniconismo de facto da teologia do Sabaoth, do Deus invisível entronizado sobre querubins.

 

A imagem (cultual) de Javé

Como dissemos, recentemente alguns autores puseram em causa esta «tradição» anicónica. Segundo eles, durante a monarquia, houve imagens da divindade nos principais templos/santuários javistas (Samaria, Betel e Jerusalém) e o segundo mandamento, no contexto do exílio, é uma reacção ao desaparecimento dessas imagens. Se é verdade que não existem «evidências» do que acabamos de dizer, há porém alguns indícios que convém ter em conta[4].

H. Niehr refere alguns textos bíblicos antigos e os salmos para justificar a existência de uma imagem cultual de Javé no templo de Jerusalém. Esses textos falam do templo como a «casa» de Javé (cf. Ex 15,17; Sl 26,8), significando que Javé habita realmente no tempo, de modo visível (icónico) ou não. Ora, a Bíblia fala frequentemente em ver «a face de Deus» (cf. Sl 24,6; 42,3) ou em apresentar-se «diante do Senhor» (cf. Dt 16,16), de oferecer-lhe oblações e libações (cf. Nm 6,17), ou ainda mencionando as suas «vestes» (cf. Is 6,1; Sl 60,10), o que pode indiciar que se está cerca de uma imagem/representação de Javé. Além disso, parecem existir alusões a procissões com a imagem divina (cf. Sl 24,7.9) ou um festival anual em honra do Deus nacional, que saía do seu templo em peregrinação (cf. Sl 68). Quanto à linguagem da «entronização» (de Javé), frequente nos salmos «reais», pode simplesmente aludir ao facto de o «rei» representar/ser imagem de Javé, aquele que se senta sobre os querubins (cf. 1 Cr 29,20.23). Neste sentido, as teologias do Shem ou da Kabod viriam sobretudo responder a um vazio: a «imagem» cultual da divindade ou se perdeu durante a destruição de Jerusalém (cf. Jr 8,19; 12,7-8; Ez 8,12), ou deixou de ser tolerada.

Por seu turno, M. Köckert encontra um argumento mais decisivo no estudo de Dt 4, um texto considerado pelos exegetas como tardio (da época persa). O segundo mandamento, originalmente, não compreendia a proibição das imagens, mas apenas a proibição do culto aos deuses estrangeiros (cf. Dt 5,9-10, que seguiria normalmente 5,7). A introdução das tradições (e da teofania) do Sinai na Tora tornou caducas as representações/imagens de Javé. O exílio, precisamente, é explicado à luz da «idolatria» dos antepassados. Por isso, as imagens devem ser banidas (Dt 4,9-24) e, portanto, são proibidas (Dt 5,8)[5]. Para esta corrente teológica, Deus «mora» agora na Tora. Alguns anos antes, quando ainda não existia o Segundo Templo, o autor de P afirmava que o conjunto do Universo constituía o templo de Javé-Eloim, e que a sua imagem/representação se encontrava, não em estátuas, mas no próprio ser humano – «criado homem e mulher» (Gn 1,26), constituindo esta perspectiva uma evolução da teologia exílica da Kabod (que vemos ainda expressa em Ezequiel).

Em suma: se é verdade que existe uma tradição anicónica entre os Semitas ocidentais, expressa no culto das estelas, este aniconismo pode ter coexistido com expressões icónicas, sobretudo nos grandes santuários (Samaria, Betel e Jerusalém), mais expostos a influências estrangeiras (o culto de imagens). Por outro lado, o aniconismo «vazio», defendido por Mettinger, é cada vez mais difícil de sustentar: os chamados «tronos de Astarté» na Fenícia, o suporte/altar de Tanach, etc., estavam realmente vazios ou neles era colocada uma imagem cúltica da divindade?

                   

Porfírio Pinto

Investigador

 



[1] Recentemente foi exposta uma imagem representando, supostamente, Javé e Achera, e que pode ser apreciada no livro de O. Keel, L’Eternel féminin. Une face cachée du Dieu biblique, Labor et Fides, 2007, p. 48 (trata-se do catálogo de uma exposição realizada no Musée de l’Orient, em Friburg, Suíça).

[2] T. N. D. Mettinger, No graven image? Israelite aniconism in its ancient Near Eastern context, Almqvist & Wiksell Int., 1995; Id., «Israelite aniconism: developments and origins», in K. van der Toorn (ed.), The Image and the Book: Iconic Cults, Aniconism, and the Rise of Book Religion in Israel and the Ancient Near East, Peeters, 1997, pp. 173-204; Id., «A Conversation with my Critics: Cult Image or Aniconism in the First Temple?», in Y. Amit et al., Essays on Ancient Israel in its Near Eastern Context, Eisenbrauns, 2006, pp. 273-296.

[3] Cf. A. Wood, Of Wings and Whells: A Synthetic Study of the Biblical Cherubim, Walter de Gruyter, 2008. Para o nosso autor, cf. T. N. D. Mettinger, The Dethronement of Sabaoth: Studies in the Shem and Kabod Theologies, C. W. K. Gleerup, 1982.

[4] Estes indícios são retirados dos artigos de H. Niehr, «In Search of the Yhwh’s Cult Statue in the First Temple», in K. van der Toorn (ed.), The Image and the Book: Iconic Cults, Aniconism, and the Rise of Book Religion in Israel and the Ancient Near East, Peeters, 1997, pp. 73-96; e de M. Köckert, «Suffering from Formlessness: The Ban on Images in Exilic Times», in B. Becking-D. Human (ed.), Exile and Suffering, Brill, 2008, pp. 33-52.

[5] A arqueologia comprova, efectivamente, que apenas na época persa desaparecem em Yehud todo o tipo de imagens (cf. E. Stern, «Religion in Palestine in the Assyrian and Persian Periods», in B. Becking-M. Korpel [eds.], The Crisis of Israelite Religion,Leiden, 1999, pp. 245-255.

publicado por Re-ligare às 11:12
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Lino a 8 de Março de 2011 às 21:17
Muito bom texto! Adorei ler.

Comentar post

..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds