Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Quinta-feira, 9 de Junho de 2011
AINDA AR-RAHMAN E OS LAÇOS FAMILIARES

Assalamo Aleikum Warahmatulah Wabarakatuhu (Com a Paz, a Misericórdia e as Bênçãos de Deus)


Bismilahir Rahmani Rahim (Em nome de Deus, o Beneficente e Misericordioso)


JUMA MUBARAK

 

“Deus disse: “Eu Sou Ar-Rahman. Eu criei os laços familiares e denominei de Rahim que obtive da raiz do Meu nome Rahman. Quem ligar o laço familiar eu Me manterei ligado a ele quem o cortar, Eu cortarei (o laço) com ele.


Seguem duas passagens que nos alertam para o valor dos laços familiares.


1- Abú Ayyub Sulayman, relatou: “Abu Huraira (Radiyalahu an-hu), veio ter connosco numa quinta feira ao anoitecer, como habitualmente o fazia nos encontros semanais,
para nos ensinar e relembrar os ditos do Profeta (Salalahu Aleihi Wassalam). Mas antes de iniciar a lição, advertiu-nos: “Se alguém que está aqui sentado, tem alguma relação familiar cortada, deve abandonar esta reunião (e ir reparar o relacionamento)”. Após ter repetido as mesmas palavras por três vezes, um jovem deixou o agrupamento e foi ter com a sua tia, com quem deixou de falar há mais de dois anos. Ao encontrar-se com ela, a tia perguntou-lhe: “Meu sobrinho, o que te trouxe até aqui?” Ele disse à tia as palavras que ouvira de Abu Huraira. Ela pediu-lhe para ir ter com Abu Huraira e perguntar-lhe os motivos de ter dito aquelas palavras (em vez de mencionar os grandes pecados, porque focou ele apenas esta questão? Porque eram tão especiais os laços parentescos?). Abu Huraira ao ser questionado disse: “Eu ouvi de Profeta Salalahu Aleihi Wassalam) referir: “Em todas as quintas feiras (ao anoitecer)*, as acções dos filhos de Adão são presentes a Deus, o Altíssimo, e quem
rompeu com os laços familiares, terá todas as suas boas acções rejeitadas. In Al-Adab Al-Mufrad – Imam Bukhari.


“A misericórdia de Deus não vai descer a pessoas entre as quais há um que tenha rompido os laços de parentesco”. - Baihaqui – Shuab al- Iman.


*Quinta feira, depois da oração de Magrib, é noite de sexta feira, dia de Juma. Quando era pequeno, às quintas feiras à noite, ouvia os meus familiares a incentivarem os mais novos, na língua gujurate: “Ajê Jumarate hê, parhô bessô” - “Hoje é a noite de sexta feira, senta-te e recita as tuas preces”. A importância da sexta feira é tal, que muitos jejuam às quintas feiras. Nos dias de grande significado religioso, era habitual o Profeta (Salalahu Aleihi Wassalam) jejuar de dia e fazer muitas orações e zikr à noite, porque assim ele gostava que as suas acções ascendessem ao céu enquanto estava jejuando.


2 - Abdala Bin Abi Ufa, referiu que o Profeta (Salalahu Aleihi Wassalam), foi informado de que Alqama, um jovem, estava na agonia da morte e que não conseguia pronunciar a Shaada (Kalima) – declaração da fé. O Profeta não encontrou justificação, por alguém estar habituado a pronunciar a Shaada, e que na altura da morte, apesar das pessoas insistirem nesse sentido, não o conseguir fazer. Para se inteirar da situação, acompanhado dos seus companheiros (que Deus esteja satisfeito com eles), foi ver Alqama. Junto dele, o Profeta insistiu para ele pronunciar a Shaada, mas ele dizia que não o conseguia fazer. Perguntou o Profeta, o que desagradou tanto a Deus que não lhe permite dizer as ultimas palavras (chaves para o paraíso)? Disse o jovem, que era desobediente à sua mãe. Mandou chamar a mãe e perguntou-lhe acerca do filho. Ela
referiu que Alqama era uma pessoa piedosa, passando muito tempo nas orações e jejuando. No entanto ele desobedeceu-lhe por causa duma mulher e por isso ela se encontrava zangada com ele. O Profeta pediu para lhe perdoar, porque o perdão da mãe seria muito bom para ele. Após a recusa da mãe, o Profeta mandou Hazrat Bilal (Radiyalahu an-hu) reunir lenha e acender uma fogueira, para queimar Alqama. A mãe muito preocupada, perguntou: “A fogueira é para queimar o meu filho?”. Sim, respondeu o Profeta: “Este castigo que vamos aplicar, não é nada em comparação com o que Deus o vai sujeitar; eu juro por Allah, enquanto tu estiveres zangada com ele, nem a sua oração nem o seu sadaka serão aceites”. A Senhora perdoou o filho e este, antes de morrer, pode finalmente declarar “Lá Ilahá Ilalahu Muhammad Rassululah” – “Não há outra Divindade, excepto Deus e que Muhammad é o seu (último) mensageiro. O Profeta, satisfeito com o desfecho da situação, disse: “Todos os louvores pertencem a Deus, que através de mim, salvou este jovem do fogo (do inferno). Relato de Baihaqui e Al Tabarani. In Manual Islâmico com Khutbas – Sheik Aminuddin Mohamad. A satisfação de Deus, depende da satisfação da mãe.


Jubayr b. Mut’im referiu: Umar b. Al-Khatab (Radiyalahu an-hu), disse no mimbar, durante um sermão: “Conheçam a vossa linhagem familiar, para que possam manter os laços de parentesco. Por Deus, se há algum sentimento ruim entre um homem e o seu irmão muçulmano, e se ele sabe que há uma ligação familiar entre ele e o referido homem, então este parentesco o vai impedir de romper com ele. In Al-Adab Al-Mufrad – Imam Bukhari. Nota: As gerações antigas conheciam toda a linhagem familiar, mesmos os mais afastados, nomeadamente os primos de terceiro ou quarto graus. A família era enorme. Os laços familiares eram em qualidade, quantidade e mais fortalecidos. Nos nossos tempos, essa boa prática está a decair. Os mais velhos devem fazer os possíveis para recordarem aos mais novos, a linhagem de parentesco.

 

Recomendação aos mais novos: “Incrementem a compaixão, o amor e o respeito para com os vossos pais e familiares. E façam preces, muitas preces para os que já nos deixaram. É uma das poucas atitudes que ainda lhes pode beneficiar no seu local de estágio para a vida futura.


Abu Huraira (Radiyalahu an-hu) viu dois homens e perguntou (ao mais novo): “Quem é este homem em relação a ti?” Ele respondeu: “Ele é o meu pai”. Depois, Abu Huraira aconselhou-o: “Não lhe chame pelo seu nome, não caminhes à frente dele e não te sentes, antes dele se sentar”. In Al-Adab Al-Mufrad – Imam Bukhari.


Um bom dia de Juma, na melhor das companhias, a família.
Cumprimentos
Abdul Rehman Mangá
02/06/2011

publicado por Re-ligare às 16:09
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds