Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Quinta-feira, 30 de Junho de 2011
2ª Parte - “LA TAZULA”: Não farás nenhum movimento, nem darás um passo sem que…

Assalamo Aleikum Warahmatulah Wabarakatuhu (Com a Paz, a Misericórdia e as Bênçãos de Deus) Bismilahir Rahmani Rahim (Em nome de Deus, o Beneficente e Misericordioso)


JUMA MUBARAK

 

Nadhla Ibn Ubaid al Aslami (Radiyalahu an-hu) relatou que o Profeta (Salalahu Aleihi Wassalam) disse: “Quando chegar o Dia do Juízo Final, todo o servo de Deus permanecerá de pé e não dará nenhum passo (la tazula), até que preste contas acerca de quatro questões: 1)- A sua vida, como a empregou: 2)- Do conhecimento obtido, o que fez com ele; 3)- A riqueza, como a obteve e como a gastou: 4)- O seu corpo, como o utilizou. Tirmizi.

 

2 - Do conhecimento obtido, o que fez com ele; A procura do conhecimento (ilm) é obrigação de todo o ser humano. O ilm, permite-nos melhorar as nossas condições de vida. Mas infelizmente, a maior parte das vezes, a pobreza é uma barreira que não permite inverter essa situação. Encontramos no Islão, o incentivo para o combate à ignorância e ao analfabetismo. Só assim é que os muçulmanos poderão contribuir com o
desenvolvimento dos países onde se encontram a viver, de maioria muçulmana ou não. Temos a obrigação de contribuir para o desenvolvimento do mundo, como forma de erradicarmos a ignorância e a pobreza. Por isso, todo o ser humano, intelectual e ou financeiramente capaz, deve auxiliar o seu irmão de fé na obtenção do ilm. Como deve proceder? Pode dedicar o seu tempo livre ensinando os outros; deve preocupar-se em saber quais as instituições religiosas ou não, que estão a promover a escolarização; deve apoiar financeiramente as madressas que estão a ensinar as crianças pobres para retirar-lhes da pobreza. Disse Issa (Aleihi Salam) – Jesus, que a Paz de Deus esteja com ele: “Aquele que aprende, pratica e transmite sabedoria, será chamado grande no reino dos céus.”. Relato de Ahmad Ibn Hambal. A ignorância, é a mãe de todos os males. A utilização do conhecimento, tem as suas regras, perante a sociedade e o nosso Criador. Todo o conhecimento adquirido deverá ser aplicado na melhoria das condições da vida de todos nós. Somos humanos e o nosso conhecimento é limitado. Só Deus é que é o verdadeiro Sábio.


É obrigação de todos os pais transmitirem aos seus filhos, o ilm (religioso), a educação escolar, a boa conduta e o bom relacionamento com os familiares. Este é um direito inalienável que os filhos têm perante eles. Depois da morte e até ao dia de qiyaamat, os pais beneficiarão disso. Também a sabedoria que for transmitida a outros, bem como o ensinamento da religião, farão com que as recompensas continuem a aumentar, de acordo com o seguinte hadice: Abu Huraira (Radiyalahu an-hu) referiu que o Profeta Muhammad (Salalahu Aleihi Wassalam) disse: “Quando uma pessoa morre, suas acções findam, com excepção de três coisas: 1-sadaqah jaariyah (por exemplo uma escola construída, que continua a beneficiar a população); 2-o ilm, o conhecimento religioso de que as pessoas continuam a beneficiar (resultante do que ensinou, dos livros que escreveu); e, 3-um filho crente que deixou e que faz duá (prece) para ele”. Bukhari e Muslim.


Aplicamos os nossos conhecimentos para promover a concórdia entre as pessoas, ou a utilizamos para lhes causar infortúnios? Infelizmente, alguns muçulmanos, esquecendo-se do que aprenderam, percorrem o caminho mais fácil, o da perdição: obtém o ilm religioso e não o utilizam para a prática das orações e da conduta da vida exemplar: é eloquente no falar, mas para extorquir bens alheios: chega a elevados cargos governativos para enriquecer às custas de esquemas e de expedientes ilícitos. Disse Issa (Aleihi Salam): “Aquele que adquire conhecimentos, mas não age em conformidade, é como uma mulher que comete adultério em segredo e fica grávida e a sua vergonha se torna conhecida de todos. Também quem não age de acordo com o seu conhecimento, será envergonhado por Deus, diante de todos os homens, no dia do Juízo Final”. Relato de Abu Hamid al-Ghazali.


Quanto maior for o grau de ilm que a pessoa tiver, maior será a responsabilidade perante o mundo e em especial, perante o nosso Criador.
Todos os que são agraciados com a sabedoria e com o ilm, devem coloca-los em prática (Amal), para seu benefício e para benefício de todos em geral. Os responsáveis religiosos e das comunidades, devem cumprir na sua vida pessoal, os ensinamentos que transmitem. Refere um ditado Português: “Olha para o que eu digo e não para o que faço”. O Profeta (Salalahu Aleihi Wassalam) durante a viagem de Miraj (ascensão ao céu), viu um grupo de pessoas, cujos lábios estavam a ser cortados com tesouras de fogo. Jibrail, Aleihi Salam (Anjo Gabriel), esclareceu-lhe de que eram pregadores da religião, mas que não actuaram de acordo com aquilo que diziam. Outra passagem, refere que os residentes do paraíso ficarão espantados ao ver no inferno, os que lhes transmitiam sermões e orientações religiosas. Os referidos residentes do inferno, esclarecerão de que não praticavam aquilo que pregavam. O castigo de Deus será mais doloroso para esses pregadores, do que para os pecadores comuns.


Abu Darda (Radialahu an-hu), referiu: “O que mais temo, é que me seja perguntado no dia do Julgamento final e perante toda a humanidade:
“Actuaste de acordo com o conhecimento que possuías?”.


Não te esqueças, La Tazula…., In Sha Allah, continua na próxima semana.


Cumprimentos


Abdul Rehman Mangá


23/06/2011

publicado por Re-ligare às 18:07
link do post | comentar | favorito
|
..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds