Blog dos docentes, investigadores e alunos de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona (Lisboa)
.posts recentes

. RAMADAN - PRIMEIRA PARTE

. FALTAM APENAS DUAS SEMANA...

. JEJUM, UM ALIMENTO PARA A...

. “LA ILAHA – ILLA LLAH” – ...

. MI'RAJ — A Ascensão do Pr...

. RELEMBRANDO: A NOITE DE M...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS INÚMEROS BENEFÍCIOS PE...

. OS PRIVILÉGIOS E AS RESPO...

. SURAT FUSSILAT

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

Quarta-feira, 20 de Junho de 2012
MI'RAJ — A Ascensão do Profeta. Muhammad (s.a.w.) aos Céus. Por: M . Yiossuf Adamgy

Em nome de Deus, o Beneficente, o Misericordioso

Glorificado seja Aquele que, durante a noite, transportou o Seu servo, tirando-o da Sagrada Mesquita (em Makkah = Meca) e levando-o à Mesquita de Al Aqsa (em Jerusalém), cujo recinto bendizemos, para mostrar-lhe alguns dos Nossos sinais. E Ele é o Omniouvinte, o Omnividente.

- (Alcorão 17:1).

 

Prezados Irmãos,

Assalamu Alaikum (Que a Paz esteja con-vosco).

 

Os muçulmanos vão celebrar, relembrando, in-cha-Allah, no próximo dia 26 de Mês de Rajab de 1433, 16 de Junho de 2012, a Mi´raj, a Ascensão do Profeta Muhammad (s.a.w) da Mesquita de Meca à Mesquita de Jerusalém (Maçjid-ul-Aqssa, a Mesquita mais distante), erguida próxima ao Domo da Ro-cha, também conhecida como a Mesquita de Omar. E daí, depois a sua Ascensão aos Céus. O evento tem um significado triplo para os muçulmanos: histórico, sagrado e místico.

 

O facto histórico está situado em 620 do calendário cristão. Haviam 10 anos que o Profeta Muhammad (s.a.w) recebera a reve-lação dos primeiros versículos do Alcorão e há cerca de oito pregava em público a devo-ção a Deus Único. Kadhija (r. a.), sua esposa e a primeira lhe apoiar, falecera no ano anterior. O Profeta (s.a.w) contava apenas com alguns poucos seguidores, estava iso-lado dentro da própria tribo (os coraixitas), sem nenhum protector humano desde a mor-te do seu tio Abu Talib e no limite das suas forças. A permanência em Meca se tornará insustentável. A confiança na protecção divi-na não significa descuidar de si mesmo (está escrito, Allah não muda o destino de um povo, até que o povo mude o que tem na alma (Alcorão 13:02), e a única saída pos-sível para evitar a agressão física era uma aliança com um outro clã e a transferência para outra cidade.

 

Sem obter sucesso para esse plano, uma noite o Profeta (s.a.w) rezou na Caaba e de-pois adormeceu. Sentiu, então, ser acordado pelo arcanjo Gabriel (a.s.), e colocado na ga-rupa de um cavalo celeste (Buraq).

 

A Viagem Nocturna (al-isrá) teve uma pa-ragem em Jerusalém, no Monte do Templo, onde hoje se encontra a Mesquita de Al Aqsa. Aí, encontrou-se com vários dos gran-des Profetas, entre os quais, e tendo em conta as versões de uso mais corrente, Abra-ão, Moisés e Jesus (a.s.). Em conjunto, efec-tuaram a oração ritual, tendo Muhammad (s.a.w.) na altura assumido a função eminen-temente simbólica de Imame. Seguidamente, Muhammad (s.a.w.), sempre guiado por Ga-briel, subiu de céu em céu, tendo por base o local exacto que em Jerusalém, liga as duas dimensões do Universo. Foi-lhe possível contemplar o Paraíso e o Inferno. A cada Céu, encontrou-se com um Profeta — o pri-meiro presidido por Adão; o segundo, por Jesus e João Batista; o terceiro, por José; o quarto, por Enoc; o quinto por Aarão; o sexto, por Moisés e, o sétimo, por Abraão — que antecede o Trono de Allah.

 

A dimensão sagrada da al-isrá wal mi’raj está contida na mensagem recebida pelo Profeta (s.a.w) durante a sua estadia na esfe-ra divina e em contacto com Senhor do Uni-verso: a salat ou a obrigação da oração, cinco vezes ao dia. A importância da oração canónica, como um dos cinco pilares do Islão, pode ser medida pelo facto de que ela é a única recomendação transmitida directamente por Deus ao Profeta Mu-hammad (s.a.w.), sem a intermediação do arcanjo Gabriel, como ocorreu para o texto do Alcorão Sagrado. No Livro do Islão, a ora-ção é citada 117 vezes como um dom con-cedido aos seres humanos para a sua as-censão espiritual. «Sou Allah. Não há divin-dade além de Mim! Adorai-Me, pois, e observai a oração, para celebrar o Meu nome» (Alcorão, 20:14). «É certo que prosperarão os crentes, que são humildes em suas orações» (Alcorão, 23:1-2). A essência desta mensagem é a mesma dos avisos feitos a Moisés (a.s.), no Monte Sinai, e da última recomendação de Jesus (a.s.), no Monte das Oliveiras.

 

Toda a Criação, por sua própria natureza, está submetida e louva ao Senhor, mas só ao ser humano foi concedida uma parcela de livre-arbítrio. Essa possibilidade de escolha é o que nos aproxima da «imagem de Deus», nos torna os únicos, entre todas as coisas criadas, «capacitados e livres para rezar». A escolha que fazemos determina a grandeza ou a tragédia da nossa condição. Escolher rezar não é a opção mais fácil. Ao contrário! A oração — como expressão da nossa livre escolha — não tem relações com a passi-vidade diante da realidade ou da fé. Exige e estabelece compromissos. Orar pressupõe, sobretudo, agir nos caminhos de Deus. Orar e agir é a única via que nos permite ascender espiritualmente. (Alcorão 2:177).

 

Maioria dos eruditos islâmicos vêem al-isrá val mi’raj como a ascensão física do Profeta Muhammad (s.aw) aos céus — uma expe-riência mística e pessoal; uma experiência fundamental para o desenvolvimento da espi-ritualidade islâmica.

 

Naquele mesmo ano em que se deu a Mi’raj (a Ascenção), o Profeta Muhammad (s.a.w.) converteu seis peregrinos que tinham vindo a Meca de um oásis fértil, habitado por árabes e judeus no meio do deserto. Dois anos depois, seria feita a Hégira, a célebre migração de Meca para Medina, e iniciada a contagem da era Islâmica.

 

Os Muçulmanos de todo o mundo celebram e relembram esta Ascensão do Profeta Mu-hammad (s.a.w.) aos Céus, agradecendo a Deus as cinco orações que Ele prescreveu para o povo muçulmano que, desde então não cessa de as praticar, diariamente, em to-do o mundo.

 

Que Allah nos oriente no saudável cumpri-mento dos seus mandamentos.

 

Que a Paz esteja convosco. Wassalam Alaikum W. W.■

publicado por Re-ligare às 19:12
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De mohamad a 23 de Junho de 2012 às 21:01
Alhamdulillah... Ter bons irmaos muculmanos, sanando nossas duvidas. Otimo texto!! Obrigada! Salam wa aleikoum
De O meu nome sou joaquim laiz chitaunga eu era um cristao grassa a deus converti ja sou muçulumano descobri a verdade o meu nome muçulumano é muhammad espero que alguém tambem descubra a verdade se allah quiser a 10 de Setembro de 2012 às 13:39
O profeta muhammad (saw), foi um dos profetas que allah mas goxtou, as arvores respeitavam dele
De Muhamad a 18 de Janeiro de 2013 às 08:54
Alhamdulilah que esse sheik muhamad converteu se e eu tambem sou muhamad
De Alfane a 22 de Fevereiro de 2014 às 09:39
Walaikum salam w.W

Comentar post

..
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds